29.6.16

Quinoa de espargos para uma tarde de Verão

espargos

Depois de tanto suspirar pelo calor e pelas tardes sem fim, ei-lo que chega. É o Verão a instalar-se de armas e bagagens, as temperaturas a subir e os suspiros a mudarem de justificação. Agora são as férias que nunca mais chegam, ainda que espreitem ali ao virar da esquina, as tardes prometidas de dolce far niente.

Cá por casa fazemos ainda um balanço da estação que passou. Os últimos espargos são solução para almoços rápidos de gente cansada, a precisar de desligar. Mas não importa o cansaço quando o mais bonito dos bouquets espreita por entre as compras do mercado. Há sempre sorrisos quando há espargos.

Quinoa com espargos, mozzarella e amêndoas Lírios do campo

Do campo ou da praia, das flores e do mar, temos até ver apenas uma miragem. Já do almoço tudo se combina e a mesa fica composta em minutos. No tacho, uma mistura de quinoas coze em água borbulhante enquanto por cima uma dezena de espargos aproveita o vapor sem perder o verde. Vegetais, ervas aromáticas e a textura das amêndoas torradas. Só falta o branco imaculado da mozarella e a frescura do manjericão e temos o prato feito.

São servidos?

Quinoa com espargos, mozzarella e amêndoas

24.6.16

{Os pratos preferidos do chef} Um almoço no restaurante Claro

Restaurante Claro

Abre-se uma paisagem de rio emoldurado pela luz radiosa de uma manhã de sábado assim que nos fazemos à estrada. Na Marginal antecipamos a chegada ao Hotel Solar Palmeiras e ao restaurante Claro, a apenas 10 minutos de Lisboa. A cozinha do Claro caracteriza-se pela simplicidade de sabores que nos chegam ao prato de mansinho e nos surpreendem a cada garfada. É assim a abordagem do chef Vítor Claro que na nova carta se assume ainda mais depurada e certa num registo onde a exuberância é deixada ao sabor do comensal, às memórias cruzadas e às referências nacionais e internacionais que se encontram em perfeita harmonia.

De volta a um restaurante conhecido e apreciado, encontramos a sala renovada e ainda mais luminosa, aberta sobre o infinito espelho de água ali ao cruzar da avenida, com as novas mesas e cadeiras a convidarem à permanência mesmo após o final da refeição. Talvez seja o ambiente sereno e o sorriso sempre presente do chef que contribui para que o tempo passe e não se dê por ele. Para abrir, Bacalhau à Conde da Guarda. Este é um dos pratos icónicos do Claro, exemplo último da singeleza da cozinha que aqui se pratica e da complexidade de sabores que se desenrola assim começamos a prová-lo.

Restaurante Claro Restaurante Claro

Para além da cozinha cuidada, o Claro assume uma vertente vínica muito presente em virtude da confessa paixão do chef pelos domínios do vinho que o levaram a lançar-se na produção. O seu Dominó é feito no Alentejo, com uvas provenientes de vinhas em Portalegre, mas o perfil destes vinhos afasta-se das características típicas da região. Tal como no prato, encontramos no copo a mesma aparente ingenuidade, num jogo de surpresa que há-de ser o mote do menu de hoje onde pontuam os pratos preferidos do chef.

Restaurante Claro

14.6.16

{Islândia} Ingredientes, receitas e lugares especiais onde comer

Islândia: ingredientes, pratos e lugares especiais

Há uma aura mágica na Islândia que faz da terra do fogo e do gelo um território único onde os opostos se encontram. Ao redor a paisagem de uma beleza sem igual leva-nos a questionar os canônes e a sentir uma ligação imediata e inexplicável a esta ilha sem árvores, com mais ovelhas que pessoas e um oceano sem fim a toda a volta. É de lá que vêm muitos dos ingredientes que chegam à mesa dos islandeses, confeccionados segundo uma tradição culinária muito marcada pela geografia e pela cultura. A cozinha da Islândia, com uma herança evidente da gastronomia dinamarquesa, caracteriza-se por uma abordagem simples onde os ingredientes produzidos numa das regiões menos poluídas do mundo assumem papel de relevo.

Ainda com as memórias da viagem recente em que fomos conhecer o bacalhau da Islândia e como preparação para o primeiro jogo de Portugal no Euro 2016, deixo-vos uma lista de ingredientes islandeses, pratos a provar e lugares onde encontrá-los em Reiquiavique e na península de Reykjanes.

Islândia: ingredientes, pratos e lugares especiais Islândia: ingredientes, pratos e lugares especiais

3.6.16

Brioche de alfarroba e laranja (com doce de figo e noz)

Brioche de alfarroba e laranja (com doce de figo e noz)

Maio foi um mês cheio. Veio com alegrias e tristezas, preocupações e uma agenda repleta de compromissos e obrigações profissionais. Teve celebrações pelo meio e uma viagem com momentos muito felizes. Foi um mês onde deixámos a cozinha às moscas e nos alimentámos de comida alheia, trazida por mãos amigas e confeccionada por quem sabe.

De regresso a casa e com a esperança de um Junho mais sereno, fazemos planos para voltar a fazer pão. Enquanto isso não acontece, fica a receita fácil de um dos nossos brioches favoritos. A piscar o olho ao Algarve, fruto do desejo que temos de rumar a Sul, esta é uma combinação de alfarroba e laranja para lanches saborosos e pequenos-almoços em família. Com a mesa posta, chávenas preparadas e muita vontade de partilhar momentos calmos em tardes longas, aqui fica o brioche à tête.

Brioche de alfarroba e laranja (com doce de figo e noz) Bosque encantado, Ljubljana Brioche de alfarroba e laranja (com doce de figo e noz)

Os hábitos alimentares são parte importante da nossa identidade, muitas vezes adquiridos à medida que crescemos, numa réplica do que vemos fazer. Porque para nós cada dia começa com um pequeno-almoço sentado e uma mesa posta, estes são rituais de que não abdicamos.

Das mãos do padeiro de fim-de-semana cá de casa saem os mais bonitos brioches, que fatiamos para acompanhar o primeiro café da manhã. Como de costume, há requeijão, frutos secos e compotas sobre a mesa. Hoje são as nozes e um doce de figo da Quinta de Jugais que faz as nossas delícias que nos despertam para mais um dia solarengo que antecede o fim-de-semana. Resta desejar que seja feliz e que, se possível, saiam do forno estas maravilhas. Cá em casa faremos por isso.

1.6.16

Rolinhos de sapateira e milho

Rolinhos de sapateira e milho

Tudo começa com uma vontade de aligeirar as refeições, depois vem o desejo de as tornar mais coloridas e finalmente damos por nós a contar os dias para as férias. Com o calendário a mostrar ainda muitas semanas antes dos esperados dias de descanso, é na cozinha que a mudança é primeiro sentida.

Amarelo, roxo e verde em múltiplas sobreposições de diferentes tons. Pudesse usar-se a comida como pigmento e cada receita seria uma página cheia de cor. A pensar na frescura que apetece encontrar no prato surgem uns rolinhos de sapateira e milho, com um recheio delicado envolto em massa philo crocante.

Amores perfeitos Recheio de sapateira e milho

Os ingredientes que agora desafiam novas combinações podem ser encontrados frescos ou recorrer-se às versões em conserva que ainda estejam na despensa. Tradicionalmente fritos, estes rolinhos ficam perfeitos na Actifry e fazem um aperitivo fácil para uma festa ou uma refeição ligeira, acompanhados de pimenta da terra e uma salada verde.

Dicas importantes para os melhores resultados é que o recheio seja o mais seco possível, a massa seja manuseada rapidamente para não secar e os rolinhos sejam servidos de imediato. Depois é só comer!

Rolinhos de sapateira e milho Rolinhos de sapateira e milho